A IDEOLOGIA DA SOCIEDADE INDUSTRIAL
HERBERT MARCUSE

1. É lícito afirmar que a ideologia universaliza o particular e anula as contradições?
Sim. Os meios de informação em massa não encontram dificuldades em transformar interesses particulares em interesses gerais, de todos os homens. Nessa sociedade industrial o aparato produtivo define as necessidades e pensamentos individuais. Assim, independência de pensamento, autonomia e direito a oposição estão perdendo sua função em uma sociedade que parece cada vez mais atender as “necessidades” de todos. Portanto, a tecnologia serve para anular as contradições, instituindo novas formas de controle e contenção social.

2. A parada gay é uma forma de manifestação dessa dessublimação repressiva?
Sim. A parada gay é um exemplo da dessublimação repressiva operante na esfera sexual, a moralidade sexual está sendo liberalizada. E essa liberalização opera como instrumento de controle social da realidade tecnológica, na qual amplia-se a liberdade enquanto intensifica-se a dominação. Esse maior grau de liberdade sexual dá sustento à sociedade estabelecida, por ser agradável aos indivíduos administrados. Assim liberdades satisfatórias desse tipo facilitam a aceitação dos malefícios e contradições dessa sociedade.

3. A racionalidade é irracional. Exemplo dessa afirmação.
Sim. Pois quanto mais as conquistas técnicas e intelectuais da sociedade industrial criam possibilidades de pacificação, mais ela se volta contra essa alternativa. Para Marcuse, uma sociedade livre e racional seria aquela que utilizasse todos os recursos disponíveis para a satisfação universal das necessidades vitais. Porém, o caráter irracional da realidade tecnológica faz com que os interesses particulares impeçam essa meta de pacificação. Exemplo disso é a constante ameaça de uma catástrofe atômica, as necessidades políticas dessa sociedade promovem a produção pacífica de meios de destruição.

4. Na sociedade pré-tecnológica, a consciência feliz era garantida?
A opressão da fase tecnologia é altamente eficiente. A sociedade tecnológica, através das várias comodidades que proporciona e da imposição de falsas necessidades, torna o homem um ser dominado, sem que ele mesmo perceba. Já na sociedade pré-tecnológica, o homem não era visto como é visto pela sociedade industrial, como coisa, como um instrumento, havia mais liberdade de pensamento e as contradições sociais eram mais visíveis. Portanto, nessa sociedade pré-tecnológica a consciência feliz era menos garantida. Tal sociedade não tinha a capacidade vista na sociedade tecnológica, de dominar e ao mesmo tempo passar uma idéia de liberdade. Há uma consciência feliz imposta, porque o homem é impedido de perceber os malefícios da sociedade.

5. Por que o conceito de universal é tão importante para Herbert Marcuse? Isso se relaciona com a 1ª questão? Por quê?
O conceito de universal é importante para Marcuse porque ele vê a linguagem como um meio de dominação que a sociedade estabelecida impõe. Tem existido uma repressão da sociedade na formação de conceitos, os significados são entendidos de forma restrita, assim, os universais são traduzidos em formas de comportamento e em falsas necessidades.  Para Marcuse, a filosofia analítica tem papel fundamental no tratamento desses universais, visto que a linguagem ordinária não pode ser aceita em seu sentido imediato. Isso se relaciona com a primeira questão, pois a linguagem e seus universais traduzidos de acordo com os interesses da sociedade industrial tornam-se instrumento de contenção social e de universalização do particular, ou seja, favorecem o pensamento e comportamento unidimensional.

Anúncios